Richard Gere afastado de Hollywood por criticar a China

Foto: Reuters

TEXTO: Alexandre Oliveira Vaz

O ator Richard Gere assegura que deixou de protagonizar alguns filmes no cinema devido a um comentário que teceu durante a cerimónia de entrega dos Oscars, em 1993.

Numa entrevista concedida ao “The Hollywood Reporter”, Richard Gere revela, sem pudores, as razões que o levaram a manter-se mais discreto no grande ecrã ao longo dos últimos anos. Segundo o ator, o facto de ter denunciado a ocupação chinesa no Tibete durante a gala dos Oscars, em 1993, fechou-lhe portas a grandes papeis no cinema.

Foi durante o anúncio do vencedor dos Prémios da Academia que Richard Gere fugiu ao habitual guião para sair em defesa do povo tibetano. “É horrendo, uma situação horrenda de direitos humanos”, criticou na altura.

O ator considera que as críticas ao país asiático afastaram-no da indústria “mainstream” do cinema norte-americano porque a China, o segundo mercado comercial de Hollywood depois dos Estados Unidos, os rejeitaria. “Há pouco tempo alguém disse-me que não podia financiar um filme no qual participaria porque isso incomodaria os chineses”, afirmou na entrevista.

O último grande filme em que Richard participou foi “Hachiko – Amigo para Sempre”, em 2009. Desde então, tem integrado o elenco de filmes de cariz mais independente.