O Acordo Ortográfico foi pensado, dizem os seus defensores, para unificar a língua portuguesa de Portugal e a que é falada no Brasil. Uma coisa parece ter conseguido: unificar o acordo entre os humoristas Ricardo Araújo Pereira e Gregório Duvivier.

O humorista português e o comediante brasileiro da Porta dos Fundos discutiram frente-a-frente, na semana passada em São Paulo, o Acordo Ortográfico de 1990. Era suposto ser um debate, mas foi uma gargalhada geral.

Os dois profissionais deixaram bem clara a sua discordância com o Acordo, apresentando vários exemplos que qualificam de “absurdos linguísticos”.

“Em Portugal escrevemos a palavra ‘arquitectas’ com C atrás do T, que é para abrir o E. Se não, para nós, fica ‘arquitetas’. E como é óbvio, são coisas muito diferentes. A arquibancada é a maior bancada, o arquiinimigo é o maior animigo. e As arquitetas são… as maiores tetas”, brincou RAP, para gargalhada geral da plateia.

E continuou com o seu exemplo: “Se eu for a uma livrarica comprar um livro, escrito de acordo com o acordo ortográfico, que se chama ‘As Arquitetas de Samantha Fox’, e de repente descubro que o livro é sobre as senhoras que lhe desenharam a casa, vou ficar muito desapontado”.