Taís Araújo posa nua e exibe “barriga”, “dobras” e “estrias” em produção de nu integral

Despida de preconceitos, Taís Araújo posou nua para a edição de setembro da revista Women´s Health Brasil. A atriz fez questão de assumir as suas imperfeições e recusou o uso de photoshop. Aos 38 anos, Taís Araújo quis mostrar “barriga e as dobras de uma mulher que gerou duas crianças”.

A atriz brasileira assume que a ideia de posar nua a deixou “insegura” ao princípio mas mostra-se orgulhosa do resultado final, dando conta disso mesmo na sua conta de Instagram.

“Eu queria mostrar a mulher que eu sou, com a barriga e as dobras de uma mulher que gerou duas crianças, com as minhas estrias, que, por vergonha e imaturidade, eram a razão de eu me negar a ir à praia tantas vezes na adolescência. A celulite não saiu nas fotos, mas ela está aqui e hoje, quando me olho ao espelho, tenho orgulho, porque me reconheço com as marcas que me fizeram ser quem eu sou”, pode ler-se na legenda da capa da revista.

Posar sem roupa para a @whbrasil, em princípio, me deixou insegura. Ao aceitar, eu tinha uma certeza: que a luz fenomenal do @bobwolfenson e o make @w.eliodorio eram essenciais para me deixar confortável e bonita. Porque um bom fotógrafo ajuda, sim! E na hora das fotos veio outra conclusão: eu queria mostrar a mulher que eu sou, com a barriga e as dobras de uma mulher que gerou duas crianças, com minhas estrias, que, por vergonha e imaturidade, eram a razão de eu me negar a ir à praia tantas vezes na adolescência. As celulites não saíram nas fotos, mas elas estão aqui e hoje, quando olho no espelho, tenho orgulho, porque me reconheço com as marcas que me fizeram ser quem eu sou. Obrigada, @camborowsky, por topar minhas loucuras e mostrar #meucorporeal

A post shared by Tais Araújo (@taisdeverdade) on

Taís Araújo utiliza ainda a hashtag “o meu corpo real”, revelando não ter qualquer pudor em mostrar como veio ao mundo, mesmo depois de já ter sido mãe de João Vicente, de seis anos, e Maria Antónia, de dois, fruto do casamento com o ator Lázaro Ramos.

TEXTO: Ana Filipe Silveira