Donald Trump critica “Vanity Fair” pelo pedido de desculpas a Hillary Clinton. “Estão a rebaixar-se”

Donald Trump reagiu no seu Twitter ao pedido de desculpas da “Vanity Fair” a Hilary Clinton. O gesto não agradou ao Presidente dos Estados Unidos da América, que afirmou que a revista “está nas últimas” e “a rebaixar-se”.

Donald Trump utilizou a sua conta de Twitter – rede social que utiliza frequentemente para expressar as suas controversas opiniões – para criticar duramente a revista “Vanity Fair”. Em causa está o pedido de desculpas a Hillary Clinton pelo vídeo, feito em tom humorístico, em que aconselhavam a “rival” de Trump a deixar a política de lado e a “procurar novos hobbies”.

“A ‘Vanity Fair’, que parece estar nas últimas, rebaixa-se e desculpa-se pelo pequeno golpe que deu a Hillary Clinton”, escreveu o presidente da maior potência mundial, e que desde os tempos da sua campanha eleitoral vive numa constante batalha com a maioria dos meios de comunicação, no seu Twitter.

O “pequeno golpe” a que Trump se refere é o vídeo que a revista divulgou no passado dia 23 de dezembro, em que seis jornalistas da publicação sugerem a Clinton várias resoluções de ano novo para que esta não se volte a candidatar à presidência em 2020 e em que sugerem à ex-candidata que termine a sua carreira política.

Veja aqui o vídeo que causou toda a polémica:

A carregar vídeo...

Entre as sugestões dadas no vídeo em questão, estão a de “escrever uma sequela do seu livro ‘O que aconteceu’, intitulada ‘O que raio aconteceu?’, ou a de “desativar a escrita inteligente do seu telemóvel para que quando escreva a letra F não apareça a opção ‘formar uma lista para as eleições de 2020’.

Mas o comentário que mais polémica causou foi o de uma jornalista que aconselhou Hillary Clinton a procurar um novo hobbie como ” fazer voluntariado”, “tricô”, “stand-up comedy” ou “literalmente, qualquer coisa que a impeça de se voltar a candidatar à presidência outra vez”. Foi principalmente este “conselho”, que gerou uma onda de críticas por parte de mulheres que o consideraram ofensivo, que levou a que a publicação acabasse por pedir desculpa. Em comunicado, a “Vanity Fair” assumiu que “passou dos limites”, num vídeo que se pretendia que tivesse “um tom humorístico”.

TEXTO: Mafalda Carraxis