“Estudo em casa” regressa amanhã com professores em “full time” e separação de anos no Ensino Básico

RTP
Fotografia: Reprodução RTP

A telescola está de volta amanhã, na RTP Memória, depois de ter sido a companhia de milhares de alunos durante os primeiros meses da pandemia. Há 40 professores envolvidos a tempo inteiro, separação do primeiro e segundo anos do Ensino Básico, novas disciplinas e a abertura ao Secundário.

A RTP Memória volta a exibir, a partir de amanhã, o “Estudo em casa”, a antiga telescola, que volta aos ecrãs depois de no último trimestre do ano letivo ter ensinado milhares de alunos confinados em casa, devido à pandemia da Covid-19. Uma transmissão em sinal aberto, através da Televisão Digital Terrestre (TDT) para permitir que os menores mais isolados possam aceder a esses conteúdos educativos.

Além das novas disciplinas, o destaque nas novidades vai para os 40 professores – e quatro intérpretes de língua gestual portuguesa -, que começam a dar aulas a “full-time” – na primeira temporada, devido à emergência de organizar rapidamente a antena, deram “uma perninha” -, além da separação do primeiro e segundo anos do Ensino Básico – que estavam juntos -, para que os alunos mais novos se autonomizem a ler e a escrever.

Os conteúdos diários têm tempo limitado, em blocos de 30 minutos, num total de 75 semanais, que vão ocupar a grelha da RTP Memória das 9.00 às 16.30 H. Tal como aconteceu no ano letivo passado, os blocos da manhã são dedicados aos 1º e 2º ciclos e os da tarde ao 3.º.

Nota, ainda, para a introdução do novo bloco de “Orientação do Trabalho Autónomo”, devido à necessidade de desenvolver nos alunos formas de autorregulação e de aprofundamento das aprendizagens e as disciplinas de “Cidadania e Desenvolvimento” e “Educação Tecnológica”.

A nova versão do “Estudo em casa” contempla, ainda, o alargamento das aulas ao Ensino Secundário, que terá a mesma equipa educativa e o mesmo número de blocos semanais do Básico. Estes conteúdos vão começar a ser disponibilizados no próximo mês.

Durante cinco semanas a RTP Memória dedicou a sua emissão à recuperação da aprendizagem e repôs alguns blocos pedagógico-temáticos do ano anterior. A partir de amanhã, a atenção centra-se, também, nas audiências, uma vez que na primeira temporada a estação do Estado começou por bater recordes – quase 90 mil telespetadores na estreia do formato, a 20 de abril, o que levou a RTP Memória a quadruplicar a audiência e a bater a CMTV e “O Programa da Cristina”, na SIC -, mas, após o período das férias de verão, no regresso a 14 de setembro, ficou-se por uma audiência média de dez mil telespetadores, de acordo com um estudo Universal McCann.

Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação, elogia o formato da RTP Memória: “O Estudo em casa tem agora um fôlego renovado, com uma equipa de professores inteiramente dedicada à produção daquele que é, provavelmente, o maior reportório de conteúdos escolares de origem portuguesa, em linguagem audiovisual, e abertos a toda a comunidade”, resume o governante, em declarações à N-TV.