“Eu não quero saber, e tu?”. Melania Trump e o casaco polémico em visita a filhos de imigrantes

A primeira-dama dos Estados Unidos, Melania Trump, está a ser criticada devido à forma como se vestiu esta quinta-feira, na partida para o Texas, onde visitou um centro de detenção de filhos de imigrantes ilegais.

À saída de Washington, a mulher de Donald Trump foi fotografada com um casaco que não combinava em nada com a missão de apaziguamento dos ânimos que se geraram contra as duras políticas de imigração levadas a cabo pelo marido. O motivo? A mensagem gravada nas costas: “I really don’t care. Do u?” (“Eu não quero saber, e tu?”, em português).

Desde logo, choveram as críticas contra Melania, que terá sido avisada do “erro” durante a viagem. Isto porque à saída do avião, na chegada ao estado norte-americano do Texas, a indumentária já era outra.

A polémica chegou aos ouvidos do presidente dos Estados Unidos, que rapidamente explicou o motivo daquela mensagem. Na sua conta no Twitter, Trump disse que as palavras inscritas no casaco se referem às “notícias falsas dos órgãos de comunicação social” e que é acerca delas que Melania não quer saber.

Os comentários de reprovação contra a primeira-dama surgem dias depois de Melania ter sido considerada como uma das muitas vozes contra a política de tolerância zero imposta por Donald Trump, e que levou o presidente norte-americano a ordenar esta quinta-feira que os filhos dos imigrantes detidos começassem a ser entregues aos pais.

No entanto, embora a decisão de Trump possa ser encarada como uma abertura, ela só dá prioridade aos imigrantes ilegais que tenham filhos de verem os seus casos apreciados pela justiça mais rapidamente, dado que nas fronteiras as detenções continuam até mesmo para aqueles que só pretendem requerer asilo.

Esta não é a primeira vez que Melania é criticada pela roupa que escolhe. No ano passado, durante uma visita às vítimas do furacão Harvey, a primeira-dama também foi vaiada nas redes sociais devido aos sapatos de salto que calçou durante a viagem.

TEXTO: Duarte Lago (com AFS)