Ministro da Cultura: RTP África tornou-se um “segundo canal” nos países de destino

O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, com o primeiro-ministro, António Costa. Fotografia: José Coelho/Lusa

O ministro da Cultura português, Luís Filipe Castro Mendes, afirmou que a RTP África, que comemorou esta terça-feira 20 anos de emissões, se tornou “o segundo canal” nos países africanos de expressão portuguesa.

O governante falava à agência Lusa no final de uma conferência promovida pela RTP África para assinalar duas décadas de emissões, iniciadas a 7 de janeiro de 1998, para Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe.

“A RTP África é importante em todos os países africanos de língua portuguesa. Tornou-se uma espécie de segundo canal em todos deles e é uma maneira de estarmos juntos”, disse Castro Mendes.

Para o também diplomata, em 20 anos mudou-se muito e a evolução deve seguir no sentido de os seis países se olharem uns aos outros de maneira “adulta, descomplexada e descolonizada”.

“A RTP África tem um papel fundamental nesta partilha e nesta conversa constante que os povos de língua portuguesa devem continuar a ter, não numa perspetiva passadista, mas de futuro, de resposta aos desafios ao mundo contemporâneo, de juntarmos as nossas forças para nos afirmarmos no mundo”, sublinhou.

Salientando a “sensibilidade” portuguesa para as questões africanas, Castro Mendes citou o músico e escritor angolano Kalaf Epalanga – “Lisboa é uma capital africana” – para destacar a importância que Portugal dá à afirmação de África no plano internacional.

“O que é desejável é que o olhar dos africanos e dos portugueses se encontre, que haja cada vez mais produção africana, ao mesmo tempo que a produção portuguesa possa ser vista em África também, para que a nossa produção seja conhecida e vista nos países africanos de expressão portuguesa e noutros países africanos”, referiu.

Por seu turno, e também no final da conferência, o presidente da RTP, Gonçalo Reis, lembrou que se percorreu um longo caminho nos últimos 20 anos, mas que “ainda há muito a fazer”, razão pela qual se juntaram, em Portugal, os seis presidentes dos canais públicos de televisão, que assinaram a Declaração de Lisboa para preparar ações futuras comuns.

“Quisemos que estas comemorações também tivessem conteúdo e não só reflexão, e conseguimos reunir os seis presidentes das televisões — cinco africanos e a nossa. Não é um mais cinco, somos realmente seis”, disse.

“Assinámos a Declaração de Lisboa, que é, no fundo, um compromisso público para fazermos mais na partilha de conteúdos na e da RTP África e que possam passar a ser emitidos pelos operadores africanos, em mais ações de cooperação e de formação, sobretudo no desenvolvimento de competências, oportunidades de estágios, enfim, partilha de conhecimento”, especificou.

Gonçalo Reis salientou, por outro lado, a decisão de atuarem articulados em fóruns e instituições internacionais com vocação africana, dando como exemplo a própria Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), tendo ficado já assente o compromisso de agirem nesse sentido na próxima cimeira da organização, a realizar em julho deste ano em Cabo Verde.

“Há assim uma série de mecanismos que nós, agora, vamos desenvolver no sentido de fomentar o papel da RTP África numa lógica de cooperação integrada”, afirmou o presidente da RTP, destacando, depois, o papel da cadeia de televisão portuguesa na África lusófona.

“A RTP África é um canal editado em Lisboa, o que só é possível pela nossa presença em toda a África Lusófona. Temos delegações muito fortes, que alimentam o canal com um conteúdo diário. Termos conteúdos de música, informação, debate, documentário e entretenimento. (…) É um canal em que mais de 50% das horas é específico da RTP África e não um repositório de vários canais. É um canal feito a pensar na lógica de África”, sublinhou.

Por outro lado, o presidente da RTP definiu a RTP África como “um canal de comunidade”, que tem uma “lógica diferente e única” da dos canais internacionais da “BBC, France Television e até dos espanhóis”.

“São (canais) internacionais, mas num sentido, da Europa para o mundo. A RTP África é um caso único no mundo, pois é um canal em comunidade, em que temos conteúdos que transportam uma imagem e uma realidade de Portugal para África, mas trazem também para Portugal, todos os dias, a diversidade cultural e a riqueza dos países africanos”, concluiu.

TEXTO: Lusa