“O tango é giro dançado a dois”. Herman José defende Madonna da polémica sobre aparcamento

A cedência de um terreno da Câmara Municipal de Lisboa para Madonna utilizar como parque de estacionamento é o assunto que está na ordem do dia na capital e que levou Herman José a sair em defesa da cantora norte-americana.

Na sua conta de Instagram, o humorista lamentou que os portugueses não compreendam a importância que tem o facto de uma celebridade como Madonna viver em Portugal.

“Se a visibilidade positiva que Madonna tem dado a Portugal se medisse em parques de estacionamento, não chegaria a planície alentejana. Não se enervem tanto: o tango é giro dançado a dois!”, escreveu o profissional de televisão, de 64 anos.

A polémica surgiu no final de junho, quando surgiram rumores de que a cedência do espaço era a título gratuito. Posteriormente, a própria autarquia declarou que o valor está estimado nos 720 euros, mas as críticas mantiveram-se por ser considerado um preço demasiado baixo para aparcar as 15 viaturas de que a artista dispõe.

Em comunicado, a Câmara Municipal de Lisboa justifica aquele valor por existirem vinte contratos similares na cidade e explica ainda que aquele mesmo “espaço foi usado até dezembro de 2017, com um contrato similar, pelo Instituto José de Figueiredo”.

O terreno que Madonna arrendou para usufruir como parque de estacionamento está localizado nas traseiras do Palácio Pombal, na Rua das Janelas Verdes, e, segundo a mesma nota, é válido “durante um período limitado”, enquanto decorrem obras naquela zona.

TEXTO: Duarte Lago