Passadeira vermelha regressa aos Globos de Ouro

Fotografia: Instagram Clara de Sousa

O longo tapete vermelho volta esta noite ao Coliseu dos Recreios para receber os Globos de Ouro. Goucha e Markl vão à festa e Lourenço Ortigão estreia-se na apresentação.

Um ano depois a passadeira vermelha está de regresso à Rua das Portas de Santo Antão, junto ao Coliseu dos Recreios, em Lisboa. No ano passado, o famoso tapete, que recebe o “glamour” de algumas das maiores estrelas nacionais, esteve recolhido por causa da pandemia, de forma a que os convidados entrassem mais rapidamente na sala que recebe os nomeados, sem selfies ou autógrafos com as centenas de pessoas que se costumam aglomerar na zona.

Na XVI edição dos prémios atribuídos pela SIC e pela revista “Caras”, Clara de Sousa volta a ser a anfitriã da noite, depois de o seu estilo sóbrio ter sido muito elogiado em 2022 – ano em que sucedeu aos vários “looks” de Cristina Ferreira.

Só ainda se desconhece o(s) vestido(s) que a anfitriã vai usar. “Este vestido é lindo”, escreveu nas redes sociais, com uma peça desenhada por João Rôlo. “Adoraria usá-lo um dia, mas não será o que vou usar no domingo. Estive com o João Rôlo para os últimos acertos no vestido com que irei pisar o palco do Coliseu dos Recreios de Lisboa. Obrigada João pela dedicação e disponibilidade que sempre tens, com esse enorme talento reconhecido aqui e além fronteiras. É um privilégio poder vestir mais uma das tuas criações”, acrescentou Clara de Sousa.

Com atuações musicais de Cecilia Krull – que vai interpretar a música do genérico da série espanhola da Netflix “Casa de Papel” -, GNR, Cuca Roseta, Ana Bacalhau e Marisa Liz, a SIC promete muitas outras “surpresas”. Algumas delas já foram reveladas, entretanto: Lourenço Ortigão, por exemplo, vai ser o apresentador da passadeira vermelha”, ao lado de Sofia Cerveira. Os repórteres de serviço vão ser Miguel Costa (cada vez mais repórter do que ator desde que se mudou para as madrugadas do “Alô Portugal”, Iva Lamarão e Cláudia Borges.

Numa cerimónia particularmente relevante para a SIC por coincidir com os 30 anos da estação, há, pelo menos, duas caras que não estão ligadas ao canal e que já confirmaram a presença: Manuel Luís Goucha, nomeado na categoria “Personalidade do Ano em Entretenimento” – disputa o prémio com Diana Chaves, Vasco Palmeirim, João Baião e Sara Matos -, é um rosto do canal rival, a TVI, mas garante que teve o apoio do “patrão”: “Já comuniquei. O José Eduardo Moniz disse logo que sim. Eu sou o único rosto da TVI nomeado, mais uma razão para ir e estar presente”, referiu o comunicador, para quem a nomeação “é uma distinção” que o “honra”, apesar de achar que não vai ganhar.

Outra presença pouco habitual no espetáculo e, particularmente, na passadeira vermelha é a de Nuno Markl. O guionista e animador das manhãs da Rádio Comercial confessa-se “aterrorizado”: “Não fui feito para pisar uma passadeira vermelha”, admitiu.