Maria Sampaio comenta polémica com tranças de Rita Pereira: “Para brancos é só uma moda”

maria sampaio
Fotografia: Instagram Maria Sampaio

Maria Sampaio recorreu às redes sociais para comentar a polémica com as tranças de Rita Pereira. A atriz fez um penteado com inspiração africana e foi acusada de apropriação cultural.

No Instagram, Maria Sampaio afirmou que não concorda com a atitude de Rita Pereira e explicou o porquê. “Há cinco anos fiz ‘A Tua Cara Não Me É Estranha’ e, consequentemente, fiz ‘black face’ mais que uma vez! Não tenho de me escudar e de fingir que não fiz nada! Errei! Não devia ter permitido que isso acontecesse, não tinha conhecimento de causa do assunto na altura, infelizmente, e hoje são imagens que estão para sempre na internet, que me envergonham, e peço desculpa as vezes que forem necessárias a toda uma comunidade que sofre ainda hoje!”, referiu.

“Mesmo sendo casada com uma pessoa negra, não sabia o peso e o quão ofensivo a minha ação era! Isto mostra que não é por ter um amigo negro ou marido negro ou até pai negro que se está consciente do quão ofensivo os nossos atos podem ser! São anos de estudo, de conversas, de nos questionarmos enquanto grupo privilegiado que nunca vamos saber nem sentir o que as pessoas discriminadas sentem!”, disse ainda.

“Também fiz uma vez na minha vida tranças, as primas do Gonçalo fizeram-me no meu casamento. Se hoje voltaria a fazer? Não, não faria! Se posso fazer… até posso… ‘porque sou livre’, como tanto ouço por aí, mas também sou livre para poder roubar e não é por isso que o faço!”, afirmou.

“É o meu estado de consciência de hoje que não me permite sequer querer usar! Se julgo as pessoas brancas que o fazem? Não julgo, nem sou ninguém! Se posso partilhar o porquê de não fazer sentido para mim nunca mais usar, enquanto uma luta contínua, enquanto outras ainda nem foram aceites e que não é uma moda? Posso!”, referiu.

“Para brancos é só uma moda e a nossa vida continua igual. Num lugar de privilégio, como sempre! Para pessoas negras não. Isto é tão mais profundo do que a questão: ‘será que podemos ou não usar tranças?’ Demorou para mim a perceber também! Mas observar vidas que não só a minha, ou a do meu marido, ou as de quem nos rodeia, ajuda! (…) É muita dor envolvida para eu usar só como trend! É isto que sinto! Mas como digo isto não é um julgamento! É uma partilha de sentimentos!”, rematou.