Choque. Apoiante do Estado Islâmico confessa em tribunal ter preparado ataque contra o Príncipe George

Husnain Rashid admitiu, esta quinta-feira, ter sido responsável por diversos ataques terroristas, ligado ao grupo extremista Estado Islâmico. Entre os crimes, está a incitação de um ataque ao Príncipe George.

O apoiante britânico do grupo de extremistas esteve no tribunal de Woolwich, em Londres, no qual se declarou culpado de três crimes, que consistem na promoção e no planeamento de atos terroristas. A atividade criminosa ocorreu entre outubro de 2016 e abril do ano passado.

Rashid, que tinha alegado durante todo julgamento estar inocente, confessou agora ter criado, em junho do ano passado, um grupo de conversa online no Telegram, com membros do Estado Islâmico (EI), para incitar um ataque ao príncipe George, de quatro anos.

O plano teve início a 13 de outubro do ano passado, um mês depois do primogénito do príncipe William e Katie Middleton, duques de Cambridge, ter começado a frequentar o colégio Thomas Battersea, na capital inglesa.

Para promover o atentado à vida da criança, que é terceiro na linha de sucessão ao trono britânico, o homem de 32 anos publicou, num fórum criado por si, uma fotografia de George com silhuetas de figuras ‘jihadistas’.

Quando as ameaças da organização terrorista vieram a público, a Casa Real britânica chegou a acordo com o estabelecimento de ensino para serem tomadas medidas de segurança.

O web designer desempregado tinha ainda um site, em que incitava a ataques aos estádios de futebol e dava dicas aos “lobos solitários” de como fazer um ataque.

O simpatizante, que foi detido a 22 de novembro do ano passado, é acusado ainda de preparar e encorajar ataques terroristas entre 28 de janeiro e 23 de novembro, período durante o qual tentou chegar à Síria de várias maneiras.

Percorra a galeria de fotografias do príncipe George.

TEXTO: Tiago Firmino