Isabel II condecora ex-prostituta com Ordem de Mérito pela defesa dos direitos das trabalhadoras sexuais

A monarca inglesa condecorou a neozelandesa Catherine Healey, de 62 anos, com uma Ordem de Mérito pelo papel na defesa dos direitos das trabalhadoras sexuais. Antes de ter sido prostituta, Healey foi professora primária.

A decisão da rainha está a ser notícia em todo o mundo e surpreendeu a própria agraciada. Catherine Healey foi distinguida por Isabel II com o título de dama da Ordem de Mérito da Nova Zelândia pelo contributo para a criação de uma lei que em 2003 concedeu direitos de pleno emprego às trabalhadoras sexuais daquele país, parte integrante da Commonwealth.

Entregue por ocasião do aniversário da rainha, a distinção “foi completamente inesperada” para Catherine Healey, que admitiu ao jornal “New Zeland Herald” ter começado a chorar quando soube da notícia.

Catherine Healey
Fotografia: Twitter BBC

A ativista entrou para indústria do sexo na década de 1980, depois de abandonar a profissão de professora do ensino primário. Healey ganhava 400 dólares neozelandeses (cerca de 240 euros) a dar aulas e passou a ganhar cinco vezes mais num bordel ilegal em Wellington.

Em 1987 criou o Coletivo de Prostitutas da Nova Zelândia – organismo que existe até hoje -com o objetivo de defender os direitos de quem exercia a prostituição como atividade profissional e tornar a profissão mais segura.

TEXTO: João Manuel Farinha