Príncipe George alvo de segurança apertada após ameaça de ataque de apoiante do Estado Islâmico

A escola frequentada pelo príncipe George de Inglaterra viu a segurança reforçada após um apoiante do autoproclamado Estado Islâmico se ter declarado culpado do incitamento a um ataque terrorista ao primogénito dos duques de Cambridge, o terceiro elemento na linha de sucessão ao trono britânico.

A família real britânica apertou os níveis de segurança ao príncipe George, de quatro anos. A informação está a ser avançada pelo site TMZ, que se suporta de uma fonte do estabelecimento de ensino Thomas’s Battersea, em Wandsworth, para relatar o reforço de segurança de que o bisneto da rainha Isabel II foi alvo.

As medidas não se cingem apenas ao recinto da escola frequentada pelo filho mais velho do príncipe William e Kate Middleton, mas também aos passeios pelas ruas de Londres que George partilha regularmente com a mãe e a avó materna, Carole Middleton, aponta a mesma publicação digital.

O novo plano de segurança surge menos de uma semana depois de o britânico Husnain Rashid, de 32 anos, ter assumido a culpa de três crimes de terrorismo, entre os quais o incitamento a um ataque a George. Tal aconteceu a 13 de outubro de 2017, quando o simpatizante do grupo extremista Estado Islâmico publicou uma fotografia do primogénito dos duques de Cambridge num chat, instigando um ataque ao príncipe.

Husnain Rashid. Fotografia: Reuters

A sentença só será conhecida a 28 de junho, mas o juiz do tribunal londrino de Woolwich já informou que, “inevitavelmente, [Husnain Rashid] irá receber uma longa pena de prisão”.

TEXTO: Dúlio Silva