William de Inglaterra prepara visita histórica a Israel. Há cinco factos que não pode deixar de conhecer

O Príncipe William de Inglaterra vai realizar durante a próxima semana uma visita histórica a Israel. O duque de Cambridge vai encontrar-se com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e o presidente Reuven Rivlin.

Na viagem que se inicia na próxima segunda-feira William vai visitar cidades importantes daquele país do Médio Oriente, como Telavive e Jerusalém, e a agenda oficial do príncipe inclui ainda paragens na Jordânia e na Palestina.

O assunto está em destaque na imprensa do Reino Unido, que aponta cinco factos interessantes sobre a visita do Príncipe ao Médio Oriente.

1. Esta não é a primeira viagem da família real britânica a Israel

Contrariamente ao que alguns meios de comunicação social informaram em março, esta não é a primeira visita de um membro da família real britânica a Israel, mas sim a primeira oficial. Em 1994, o Príncipe Philip visitou aquele país para uma cerimónia em homenagem à sua mãe, a princesa Alice, por abrigar uma família judia durante a Segunda Guerra Mundial. O Príncipe Carlos também visitou Israel em 1995 e em 2016, para assistir aos funerais de Yitzhak Rabin e Shimon Peres, respetivamente.

2. A agenda de William sofreu alguma contestação

Os líderes israelitas não ficaram satisfeitos com a divulgação do calendário oficial da visita, que listou Jerusalém como parte dos territórios palestinos ocupados por Israel, e pediram para a equipa de William corrigir o itinerário, pois consideram aquela cidade como capital há mais de três mil anos.

3. William vai visitar o túmulo da sua bisavó no Monte das Oliveiras

A Princesa Alice de Battenberg, que foi casada com o Príncipe Andrew da Grécia, ajudou a proteger três membros da família de um político greco-judeu no seu palácio em Atenas durante a Segunda Guerra Mundial. Alice chegou a ser interrogada pela Gestapo, mas, como era surda, fingiu não entender as questões que lhe foram colocadas.

Quando morreu, em 1969, foi sepultada no Castelo de Windsor, mas em 1988 os seus restos mortais foram transladadas para o Convento de Santa Maria Madalena, no Monte das Oliveiras, em Jerusalém, tal como era o seu desejo.

4. O Príncipe William vai ficar hospedado no histórico King David Hotel

O hotel foi inaugurado em 1931 e já recebeu a visita de vários chefes de estado, como é o caso do rei George II da Grécia. Em 1948, o hotel tornou-se uma fortaleza judaica, quando Israel declarou a sua independência.

5. Há uma sala de tatuagens na Cidade Velha de Jerusalém, na qual se diz que vários membros da realeza foram tatuados

Caso o Príncipe William queira fazer uma tatuagem, a Razzouk, uma loja administrada há 500 anos por uma família com o mesmo nome, é uma opção, e o dono já manifestou o interesse em tatuar o duque de Cambridge. Correm rumores de que reis como Eduardo VII, Jorge V e o príncipe Alberto foram lá tatuados.

TEXTO: Duarte Lago