Fortuna de 750 milhões. Tem 23 anos, é feminista e é a jovem mais rica da Noruega

Chama-se Katharina Andresen, nasceu há 23 anos em Oslo, na Noruega, e lidera a lista das mulheres mais ricas desse país.

A jovem, assumidamente feminista e herdeira de uma família de comerciantes e banqueiros, tem uma fortuna avaliada em 750 milhões de euros.

Segundo a imprensa local, Katharina destronou Margaret Boel Garmann, com 65 anos, cujo património é de “apenas” 650 milhões.

Já em março, Katharina Andresen e a irmã, Alexandra, um ano mais nova, integraram a lista da revista “Forbes” dos mais ricos do mundo, surgindo na 1650ª posição.

E de onde vem a fortuna? Da empresa que o pai, Johan H. Andresen, transferiu para os nomes das filhas, tinham elas 11 e 10 anos, respetivamente, apesar de ser ele quem a controla.

Apesar do desafogo financeiro, digamos assim, a jovem norueguesa que por estes dias anda na boca do mundo, esclarece que nunca foi uma menina mimada, deixando claro que não teve todos os seus caprichos satisfeitos sem esforço.

Estudou Ciências Sociais numa universidade de Amesterdão, trabalhou numa importante consultora e sublinhou, numa entrevista dada a um jornal de Oslo no passado mês de abril, que não tinha tido acesso a carros de luxo nem teve roupa de marca sem merecê-la.

Com o dinheiro veio a influência, que Katharina tenta transformar em impacto social, emprestando a sua cara e o seu empenho a causas sociais de relevância pública, como por exemplo, a luta pela igualdade de género entre homens e mulheres.

Kaharina Andresen trabalhou um projeto chamado Women Gast Forward, que incentiva o papel das mulheres no mundo dos negócios, numa época em que o feminismo está mais forte do que nunca.

TEXTO: Ana Filipe Silveira