Luciana: “O Yannick é um pai completamente ausente a nível físico e monetário”

“Já era de esperar. Era algo completamente previsível” a recente posição tomada por Yannick Djáló, que acusa Luciana Abreu de o “proibir” de ver as filhas. Quem o diz é a atriz e cantora, que reafirma que as portas da sua casa estão abertas “para que ele lá possa estar com elas”.

A eterna Floribella reitera que o ex-marido é, por opção própria, “um pai completamente ausente a nível de telefonemas, de presença física e a nível monetário”. “Eu já perdi a conta. É uma coisa que, com grande pena minha, apesar de todo o esforço que sempre fiz para o chamar e aproximar das filhas, nunca consegui resolver”, lamenta Lucy, de 32 anos, na entrevista que concede à revista “Cristina”.

A estrela da SIC relata ainda que, ao contrário do que tem sido veiculado por alguma imprensa, o futebolista “já está em Portugal há mais de um ano”. “O Yannick está cá, ficou sem trabalho na Tailândia e veio para cá, como as pessoas mais próximas dele sabem.”

Preocupada com a ausência de ligação entre as filhas e o progenitor, Luciana Abreu conta que fez “viagens e viagens” com Lyonce e Lyannii “de propósito para que pudessem estar com o pai”. O destino não foi apenas a Tailândia, mas também a América e França, refere.

“Ele, quando vinha a Portugal, não as procurava ou muito raramente as procurava. Só quando eu insistia muito e ligava e ligava”, denuncia a atriz e cantora, que colocou um ponto final a essas preocupações. “Claro, eu também me canso, porque esse não é o meu papel”, defende-se.

“O meu papel é, como eu já afirmei, e volto a afirmar, ser mãe e pai das minhas filhas a nível económico
e a nível humano. Dou o meu melhor e vê-se, perfeitamente, que o faço.”

Luciana Abreu

Uma novela que não tem fim e que dura há quatro anos, desde que se separaram, com novos episódios a serem contados regularmente. As recentes acusações de Yannick Djaló foram a gota de água para Luciana Abreu.

O futebolista, de 31 anos, acusa a mãe das suas duas filhas (Djaló é ainda pai de Chrystyan, de uma anterior relação) de o impossibilitar de entrar em contacto, quer físico ou telefónico, com as crianças. “Antigamente, ainda as conseguia ver no colégio, mas foi-me proibido lá entrar pela mãe das minhas filhas. Alegou que as destabilizava, mas é falso”, disse à revista “Vidas”, acrescentando que o seu “número [telefónico] foi bloqueado”.

A intérprete já se tinha defendido, através da revista “Caras”, lamentando que as crianças “só falem com o pai quando ele quer e bem entende” e que os “eternos desabafos” de Yannick Djaló são feitos “para se publicitar e fazer acusações descabidas e inverosímeis”.

TEXTO: Dúlio Silva