Reino Unido: Cinco coisas de que Meghan Markle abdicará para se casar com o príncipe Harry

Na entrevista conjunta que concedeu à BBC, um dia depois de ter sido anunciado o noivado, o casal assumiu a “viragem da página” nas suas vidas. A atriz norte-americana, visivelmente entusiasmada, disse estar preparada para o que aí vem.

Aos 36 anos, Meghan Markle prepara-se para uma mudança radical na sua vida. Tudo porque o momento em que, quando ambos tentavam assar um frango, disse sim a Harry fará da sua vida algo completamente diferente.

A primeira e mais óbvia mudança é encarada com normalidade. Meghan trocará a sua carreira de atriz por uma vida ao lado de Harry. “Será um novo capítulo na minha vida”, assegurou Markle na entrevista à BBC. Para trás fica uma década e meia na ficção, quer no cinema, quer em séries televisivas como “Cuts”, “Castle”, “CSI Nova Iorque” e, sobretudo, “Suits”, em que se tornou mais mediática.

O segundo efeito prático com os preparativos para o casamento, já anunciado para maio, é a mudança de residência, também assumido pelo casal. Meghan abandonará a sua vida nos Estados Unidos e no Canadá – atualmente vivia em Toronto – para fixar residência em Inglaterra.

O secretário de comunicações do palácio de Kensington, Jason Knauf, assegurou ao jornal britânico “The Times” que Markle “cumprirá com todos os requisitos oficiais”. “Também posso dizer que tem intenção de solicitar a nacionalidade britânica e seguirá com os trâmites normais para obtê-la, o que pode durar vários anos”, acrescentou.

De acordo com o “Times”, uma vez casada com Harry, Meghan deverá aguardar três anos para obter a residência permanente, após o qual pode solicitar a nacionalidade e, eventualmente, o passaporte britânico, segundo as normas vigentes. Para isso, porém, terá de se sujeitar e ser aprovada a um exame de História e Cultura britânicas.

Com o casamento marcado para maio, na Capela de St. George do castelo de Windsor, há todo um ritual a que a ainda norte-americana terá de se sujeitar. A atriz terá de ser batizada e crismada antes do casamento. Tudo porque Meghan é protestante e para oficializar a relação com o filho mais novo de Diana terá de ser batizada pela Igreja Anglicana, como manda a tradição.

Apesar de já ter uma grande experiência com projetos humanitários (esteve no Ruanda numa campanha pela água potável; trabalha com as Nações Unidas para a Igualdade de oportunidades para as mulheres e é conselheira da One Young World), Meghan Markle vai reforçar a sua componente humanitária. A entrada na família real assim o obriga. E há uma diferença substancial: as causas e projetos sociais em que se envolverá passarão a ser decididos pelo palácio de Kensington.

Para lá de mudar de profissão e de país, de abdicar da proximidade física dos seus amigos e familiares, Meghan Markle vai despedir-se também de um dos seus cães. A atriz tem dois cães: Guy, que viajou para o Reino Unido, e Bogart, um Labrador adotado que, por causa da sua idade avançada e estado de saúde, ficará a viver em casa de amigos da atriz.

TEXTO: Nuno Azinheira