Lusodescendente nomeado para Óscar de Guarda-Roupa no “momento mais alto da carreira”

Fotografia: Divulgação

A comemorar 30 anos de carreira o lusodescendente Luís Sequeira diz que a nomeação para o Óscar de Melhor Guarda-Roupa do filme “A Forma da Água” realizado por Guillerme del Toro “é o momento mais alto” da sua carreira profissional.

“Dá-me um orgulho enorme ao saber que o meu trabalho é reconhecido desta forma, pois trabalho bastante em tudo o que me envolvo. É fantástico ser nomeado”, afirmou esta segunda-feira à agência Lusa Luís Sequeira.

Filho de emigrantes de Lisboa, o lusodescendente reconhece que este “é o ponto alto de 30 anos de carreira” e mostra-se com algumas expectativas de receber o galardão.

“Inicialmente ingressei no mundo da moda. Com o passar do tempo, abri um estabelecimento comercial com uma coleção de homem e de mulher. Mas era uma vida muito sossegada, e queria ter algo com mais. Como tinha uns amigos que estavam a trabalhar num filme de (David) Cronenberg. Eles aconselharam-me a ingressar naquela área”, explicou.

A carreira começou “numa posição baixa, de aprendizagem”, como assistente de guarda-roupa de “Mean Girls” (1994) e “Cinderella Man” (2005) mas desde o princípio “adorou” e nunca mais pensou em desistir.

“Estive a fazer um filme chamado Mama (2013) com Andy Muschietti. A atriz Jessica Chastain em vez de ter uma madeixa ruiva tinha o cabelo preto. Ela desempenhava o papel de uma artista alternativa. Estava a fazer os últimos pontos a meio da prova quando abrimos a porta e estava lá o Guilherme del Toro. Ele viu-a com a madeixa, e com aquela roupa, e mostrou-se admirado”, contou.

A partir dessa altura, o realizador Guilherme del Toro requisitou os serviços do luso-canadiano
por diversas situações.

“Desde essa altura que sempre gostou do meu trabalho. Depois pediu-me para trabalhar com ele no “The Strain”, uma série de três anos. Ele foi o realizador do primeiro episódio e noutras partes mais de fantasia”, disse.

Foi precisamente em 2016 que o realizador o convidou para trabalhar num “filme dos anos 60”: “A Sombra da Água”.

“Foi um sonho tornado realidade, porque enquanto estava a trabalhar nas séries, ele realizou o ‘Pacific Rim’ (2013) e ‘Crimson Peak’ (2015). Queria trabalhar com ele num filme, e concretizou-se”, declarou.

O lusodescendente também foi nomeado para o melhor guarda-roupa dos prémios BAFTA, e ainda para o Costume Designers Guild Awards de melhor guarda-roupa, em “A Forma da Água”.

“Em termos de futuro gostava de participar num filme história sobre a cidade de Lisboa, algo que me inspira bastante”, concluiu.

Também o editor de som de Toronto, o luso-canadiano Nelson Ferreira está nomeado para o Óscar de Melhor Montagem de Som por “A Forma da Água”.

A 90.ª edição dos Óscares realiza-se a 4 de março, em Los Angeles, nos Estados Unidos.

TEXTO: Lusa