Durante a Semana da Moda de Nova Iorque, Jim Carrey concedeu uma entrevista no mínimo estranha. O ator norte-americano expôs algumas das suas teorias filosóficas, deixando a repórter bastante embaraçada.

Depois de cerca de dois anos afastado da vida pública, devido ao suicídio da ex-namorada, Jim Carrey, de 55 anos, tem marcado presença em alguns eventos, como a Semana da Moda de Nova Iorque. No passado sábado, o ator de filmes como “A Máscara” ou “Doidos à Solta” falou aos microfones do canal E! Entertainment, para dizer que o evento em que se encontrava não significava nada.

“Isto não tem qualquer significado, quis encontrar a coisa mais sem sentido a que pudesse vir e aqui estou eu”, revela, perante o espanto da repórter.

Questionado com o facto de a Semana da Moda de Nova Iorque celebrar ícones da moda e as respetivas criações, Jim Carrey foi ainda mais longe: “Acreditas em ícones? Eu não acredito em personalidades. Não acredito que tu existas mas há uma fragrância maravilhosa no ar”, referindo-se, provavelmente, ao perfume da repórter do canal.

Jim Carrey ainda cantou um excerto da música “Get on the Good Foot”, de James Brown, antes de continuar o seu discurso existencial: “Acredito que a paz vai para além da personalidade (…) acredito que somos um campo de energia que dança por si mesmo”, acrescentou.

Apesar de ter dito que o evento não tinha significado, o ator cómico apresentou-se de fato azul-escuro, uma escolha elogiada pela repórter, que lhe perguntou o porquê de estar tão bem arranjado. A resposta foi mais surpreendente que as anteriores: “Eu não me arranjei, eu não existo”, conclui.

TEXTO: João Farinha