“Racismo invisível”. Lucy Liu fala das dificuldades que sentiu em Hollywood por ser asiática

A atriz e realizadora Lucy Liu revelou que, no início da sua carreira, passou por dificuldades em Hollywood por ser asiática. “Não me escolhiam porque era demasiado asiática”, contou Lucy ao jornal espanhol “El Mundo”.

Lucy Liu, nascida em Nova Iorque e filha de imigrantes chineses, diz ter tido um início de carreira difícil. A atriz, de 49 anos, diz que sofreu de discriminação racial e que isso a impedia de conseguir papéis em produções de Hollywood.

“Há muita gente ignorante que não compreende como sentir-se diferente quando os pais vêm de outro país. Cresci a sentir isso e também o vivi durante a minha carreira. Às vezes ia a um ‘casting’ e não me selecionavam porque era demasiado asiática ou porque não era asiática o suficiente”, desabafou Liu.

Apesar de a carreira da atriz ter tido um começo difícil, hoje em dia a sua agenda está preenchida. Desde 2012 que interpreta a doutora Joana Watson em “Elementar” – adaptação dos livros de “Sherlock Holmes” -, uma série muito aclamada pela crítica. Este ano, participou ainda num filme original da Netflix, “Set It Up”.

Liu tem trabalhado também como realizadora. Este ano, realizou um episódio da série de ação “Luke Cage”, uma produção que valoriza o trabalho de realização feminino. Na segunda temporada da série, seis dos 13 episódios foram realizados por mulheres. “Cada vez mais vejo mulheres a realizar e acho que isso é fantástico”, revelou a atriz.

Lucy Liu aproveitou ainda para deixar outra nota feminista, desta vez relativamente ao movimento “Me Too”, que se destina a denunciar atos de abuso sexual na indústria de Hollywood. “Durante muito tempo permitiram-se esses abusos e não se falava disso. Este tipo de comportamento não se vê apenas em Hollywood. Existe em qualquer outro setor. Acredito que as mentalidades estão a mudar e que isso é muito positivo.”

TEXTO: Inês Messias