Lembra-se de Heather Locklear? Distúrbios psicológicos, álcool e drogas marcam últimos anos da atriz

Depois do sucesso… a decadência. Heather Locklear, estrela da mítica série dos anos 90 “Melrose Place”, e considerada em tempos como a “namoradinha” dos Estados Unidos, está a atravessar o lado mais negro da sua vida.

Aos 56 anos, a atriz conta atualmente com um historial negativo relacionado com distúrbios psicológicos, causados pelo consumo excessivo de álcool e drogas, e a própria imagem que a caracterizou no passado, e que inspirou tantas mulheres a quererem ser iguais a ela, é cada vez mais uma miragem.

Veja na fotogaleria as imagens da evolução da atriz

Na semana passada, Locklear foi internada num hospital de Los Angeles por suspeitas de uma overdose, apenas algumas horas depois de ter sido libertada sob fiança, após ter sido detida.

A atriz foi acusada de agredir um agente das autoridades e um paramédico que tinham acorrido à sua moradia, em Thousand Oaks, de forma a responder a duas chamadas de emergência.

Depois desse incidente, um porta-voz da polícia local relatou aos órgãos de comunicação social que, quando chegaram ao local, encontraram a atriz “extremamente intoxicada” e “nada cooperativa”.

Esta não foi, de resto, a primeira vez que as autoridades tiveram de se deslocar à habitação da artista. Em fevereiro do ano passado, após uma discussão familiar, a Amanda Woodward da série “Melrose Place”, que a catapultou para a fama, teve de ser internada num hospital psiquiátrico de modo a precaver o risco de um possível suicídio.

Heather Locklear estreou-se no mundo da sétima arte em 1981, depois de interpretar Catherine em “O Regresso a Beverly Hillbillies” e até 2013 nunca mais parou, quando filmou o último filme, “Scary Movie 5”.

Esteve casada duas vezes. Primeiro, entre 1986 e 1993 com o guitarrista dos Mötley Crüe, Tommy Lee, e mais tarde, entre 1994 e 2006 com outro guitarrista, Richie Sambora, dos Bon Jovi.

Graças a esta segunda união, foi mãe pela primeira e única vez, depois do nascimento de Ava Elizabeth Sambora, em outubro de 1997.

TEXTO: Duarte Lago