António Pedro Cerdeira reage às acusações de alegada violência doméstica

António Pedro Cerdeira
Fotografia: Instagram António Pedro Cerdeira

António Pedro Cerdeira respondeu às acusações de violência doméstica por parte da ex-companheira, Susana da Silva, com quem viveu durante nove anos de forma intermitente, entre dezembro de 2013 e agosto de 2022.

O ator, de 52 anos, aceitou conversar com Júlia Pinheiro no programa “Júlia”, da SIC, na qual integra o elenco da novela “Sangue Oculto”, afirmando ser ele vítima de violência doméstica, referindo ter avançado com uma queixa no Ministério Público.

“As notícias têm saído praticamente ao lado da verdade. Gostava de dizer eu fui e continuo a ser vítima de violência doméstica. Violência doméstica não é só a física, é também a psicológica e eu continuo a ser”, começou por esclarecer. “Estou à vontade com tudo que vou dizer porque existem provas e estão entregues no Ministério Público”, acrescentou.

“Não sou, nem nunca fui um agressor de mulheres, tenho um profundo ódio a um homem que seja agressor de mulher e a uma mulher que agride homens”, afirmou. “Sou vítima de violência de doméstica. Tenho esse estatuto de vítima”, acrescentou.

“Eu remite-me ao silêncio até agora para respeito o segredo de justiça e quer continuar. Ainda não chegou a tribunal e está na fase instrutória. […] Há uma uma altura em que a pessoa tem de dizer basta”, disse, frisando que não vai dar mais entrevistas sobre o assunto.

“Aqui há três anos houve uma queixa desta senhora porque eu tinha acabado a relação, porque estava farto da relação porque tinha tido vários episódios de agressões, de cenas de ciúmes, de escândalos públicos, várias coisas e tudo isto está documentado”, contou, referindo que há testemunhas que foram a tribunal comprovar tudo.

“Vemos muito nos filmes a cena do alcoolismo no cinema americano mas para mim como é uma coisa que eu não tenho não conheço. Quando de repente conhecemos uma pessoa que o tem custa-nos a assimilar isso. Só depois de ser chamado à atenção e ter visto vários mentiras”, contou sobre a ex-companheira.

Sobre a alegada queixa de violência doméstica de há três anos, António Pedro Cerdeira contou que o Ministério Público arquivou o processo contra o ator. “Ficou tudo sanado”, contou.

O artista disse que se manteve a viver com a ex-companheira porque era alvo de ameaças tanto pessoais, como por mensagens, de forma constante. “Amanhã vou jantar com o teu patrão, dono da SIC, e já falei com ele e nunca mais fazes novela nenhuma”, disse como exemplo, citando a ex-companheira.

Quando questionado por Júlia Pinheiro o porquê de nunca ter acabado a relação, o ator afirmou: “Porque fui comodista, cobarde e depois fiz cinquenta tentativas para acabar a relação e nunca consegui”.

“Já perdi um trabalho à conta disto, foi uma pessoa amiga que me disse e eu compreendo porque neste momento parece que sou tóxico. O meu filho mais novo já foi confrontado com bocas na escola”, referiu.

O artista adiantou que nunca fez queixa até agora por se tratar de uma situação humilhante. “Nunca fiz queixa. É intimidade. Não deixa de ser uma situação humilhante para nós”, contou. “Em junho tomei essa atitude”, afirmou.

Sobre o impacto na vida profissional deste caso, o intérprete garantiu que não está a ser prejudicado. “Entre mensagens e telefonemas recebi 300. Carreguei o telefone e 80% das mensagens que recebi são de pessoas entre amigas dela e 80% foram de mulheres que eu acho que têm um sexto sentido e conseguem sentir estas coisas. A apoiarem-me”, disse.

Já pessoalmente o ator confessou estar muito afetado. “Expliquei aos meus filhos que também sempre tiveram o cuidado de não o dizer, mas agora já o dizem que o ‘pai era mal tratado’. […] Eles sabem o pai que têm. […] Isto afeta-me porque não deixo de sentir vergonha”.

“Vivo a olhar para trás até porque já me foi dito que ela provavelmente anda a ronda, vivo a olhar para trás com medo daquele olhar de dúvida, sentes-te envergonhado, mas depois dás a volta”, afirmou, referindo que, a certa altura, tinha chegado a casa e esta tinha sido danificada.

Lembre-se que a ex-companheira do intérprete, Susana da Silva, já deu várias entrevistas e, para lá dos relatos detalhados das agressões, mostrou imagens das sequelas físicas das alegadas agressões que imputa a António Pedro Cerdeira.